Review: Tom Clancy’s Splinter Cell Conviction


Depois de tirar a virgindade do game, voltamos para a análise completa desse que é o quinto jogo da aclamada série stealth Splinter Cell Conviction. E vocês ai achando que os calangos da Wave não finalizavam jogos né?

  • ENREDO
Fisher deixa a Third Echelon após a morte de sua filha Sarah, e se “aposenta”. No entanto o inesperado ocorre, Grim sua antiga parceira entra em contato dizendo para ele sair do local onde se encontra pois alguns homens estão a sua procura. Sam acaba recebendo um comunicado de que talvez sua filha não esteja morta mas tudo depende dele para que isso não se torne realidade. Logo Sam se vê forçado a voltar a ativa para assim poder encontrar sua filha ou o assassino dela.
  • NOVIDADES 
Diferentemente dos antigos Splinter Cell, Em Conviction Sam mostra o seu lado mais cruel. Com interrogatórios que usam a força bruta ao invés da intimidação. Inclusive há uma cena onde ele desfere golpes contra uma mulher (Spoiler) e como ja comentado aqui o game vem com uma mecânica de jogo diferente do anterior game Splinter Cell Double Agent. Mas falaremos mais disso na guia jogabilidade.
https://i1.wp.com/imageshack.us/a/img266/9053/convictiongame201210312.jpg
  • GRÁFICOS

Conforme comentado na “Primeira Vez”, os gráficos realmente estão impressionantes e certas missões são realmente dislumbrantes mesmo para um game de 2010. O Game conta com recursos visuais como HDR Rendere, Dynamic Ambient Occlusion, Real Time Reflex, Soft Shadow e os já conhecido Anti Aliasing e Anisotropic.

  • OTIMIZAÇÃO DO GAME

O game foi feito em cima do DX10, e isso juntamente com a Engine aumenta o peso do Game. O Jogo é pesado. Testei ele em 3 placas de vídeo diferente. ECS 8600GT 512MB, ECS GT440 1GB e EVGA GTX550 ti e o desempenho no máximo na 8600 GT foi precário. Com a GT440 melhorou consideravelmente a taxa de frames mas se jogado no máximo (Sem AA) em algumas fases notava-se frames abaixo dos 25. Já com a GTX 550 ti o aumento de desempenho foi grande trazendo suavidade para o gameplay com frames sempre acima de 30 no máximo (Sem AA)

https://i0.wp.com/imageshack.us/a/img811/9053/convictiongame201210312.jpg

  • GAMEPLAY

A jogabilidade sofreu muitas mudanças se comparado ao game anterior. Novas mecânicas foram adicionadas ao game como o Dynamic Shot e o invisible mode.

Em Dynamic Shot, Sam consegue focalizar no máximo 3 inimigos os “marcando” para que ele consiga elimina-los ao mesmo tempo. Muita gente reclamou desse sistema mas eu achei completamente plausível utilizar ele. Primeiro que Sam é um agente com mais de 20 anos de carreira e não é possível que um agente da elite não consiga fazer isso.  O pessoal reclamou que isso deixou o game menos difícil só que não é verdade. Para poder ter acesso a esse recurso você precisa fazer uma Stealth Kill. Só assim esse recurso é liberado. E para os que mesmo assim não  gostaram, basta não usar. Eu mesmo já me vi obrigado a fazer isso sem o uso dessa opção com sucesso.

Já o Invisible Mode funciona de uma maneira simples e inteligente. Quando se está no escuro, todo o cenário fica em tons de cinza, quando se está visível o cenário volta a estar colorido. Isso é muito interessante para acabar de vez com o que acontecia em Splinter Cell Pandora Tomorrow onde você aparentemente estava escondido mas os guardas te detectavam.

O game ainda conta com um sistema de cobertura mecanizada. O Sistema de cover foi muito bem vindo para a série já que é possível ludibriar os inimigos o utilizando. Se você está em uma posição e os inimigos te verem, eles abrirão fogo contra você, no entanto, quando eles entrarem em coberturar para recarregar ou descansar, você pode ir para outro local enquanto eles continuarão a investir contra a sua posição anterior. Com isso você pode por exemplo dar a volta e pega-los desprevenidos ou se esconder novamente esperando uma nova oportunidade.

O famoso Night Vision Googles aparece no game mas não tem o papel crucial que outrora possuía  Como Sam é um Rogue Agent, A maioria das suas gadgets são improvisadas. Para olhar por baixo da porta não tem nenhum tipo de câmera espiã, é só o espelho de um retrovisor de carro por exemplo.

O game continua com recursos de jogos anteriores como abrir/fechar janela, apagar/acender luzes, hackear computadores, portas e uma opção de olhar por baixo da porta antes de abri-la.

Graficamente o jogo é lindo (apesar de antigo) e algumas missões são muito bem detalhadas. Os soms do jogo são ótimos inclusive as trilhas sonoras que sempre foram boas nos jogos da série. A Jogabilidade é excelente. Alguns contras devido a movimentação irreal do Sam quando em pé mas isso é o de menos.
https://i0.wp.com/imageshack.us/a/img208/9053/convictiongame201210312.jpg
  • BUGS

Durante a jogatina não me lembro de ter encontrado bugs. O único “bug” que me aconteceu foi o fato do game dizer que a GTX 550Ti não era compatível. Mas foi só clicar em “YES” para que o game executasse sem problemas.

  • MENUS E HUD

Os Menus e HUD são bem desenhados e possuem um toque minimalista. O que eu considero muito bom e de encaixe com o game.

  • SUPORTE AO 3D

Conforme falado na coluna Primeira vez, o game possui um inexistente suporte ao 3D. Simplesmente não é visível qualquer efeito 3D.

  • MODOS DE JOGO

O game conta com o modo campanha com 3 níveis de dificuldade e um modo multiplayer (não testado)

Splinter Cell: Conviction pode ser encontrado no Steam por R$34,99

_______________________________________________________

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s